terça-feira, 21 de julho de 2015

Encontro de "escritores" cinfanenses


Após quase dois anos (seriam exactos daqui a uma semana...) volto a escrever nesta página, com a recordação da minha participação no "Encontro de Escritores Cinfanenses" que se realizou na Biblioteca Municipal de Cinfães no dia 18 Março. Iniciativa a que aderi com muito agrado, diga-se...

domingo, 28 de julho de 2013

Habitação em S. Mamede de Infesta . Matosinhos . VI





 

 
A obra de S. Mamede aproxima-se da conclusão, após um ano de trabalho. O aspecto exterior actual é o que as fotos documentam. Exteriormente faltam apenas as portadas, as escadas metálicas do alçado posterior, a iluminação e os arranjos exteriores. Por dentro estão a ser feitos os revestimentos de paredes e pavimentos.


quarta-feira, 26 de junho de 2013

Casa do Cerrado I . Boassas . 1997

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 





Em 1997 ficou concluído o projecto para a Casa do Cerrado. O estudo versava a recuperação e adaptação desta casa senhorial seiscentista (1694) para a prática de turismo rural e o projecto chegou mesmo a ser aprovado na extinta Direcção Geral do Turismo, assim como na câmara municipal de Cinfães.
Este é um dos esquissos iniciais, onde se vêem os alçados sul e poente e o volume de ampliação da zona das salas...

sexta-feira, 3 de maio de 2013

Recuperação de habitação em Porto Antigo

Após muito tempo sem nenhuma obra a ser construída, eis que está para iniciar uma outra. Trata-se de recuperar um edifício de habitação tradicional e dar-lhe condições de habitabilidade. A construção é bastante antiga e aparenta ter alterações de várias épocas. O rés-do-chão praticamente não é utilizado e teve outrora função comercial. Tem um pequeno pátio muito exíguo, cozinha tradicional com forno e lareira... A ideia é, como o costume, tentar recuperar sem desvirtuar, valorizando o que já existe.

quinta-feira, 25 de abril de 2013

Habitação em S. Mamede Infesta . Matosinhos . 2013 . V



 
Dois aspectos da obra de S. Mamede Infesta. As paredes encontram-se já todas revestidas e prontas a receber os acabamentos. A cobertura está já devidamente executada, tanto a parte de telhado como da cobertura plana em zinco "camarinha", faltando praticamente apenas os rufos e remates com as clarabóias. No interior foi já colocado o painel cerâmico que acompanha a escada helicoidal, executado pela Sofia Beça.

sábado, 6 de abril de 2013

Colóquio Internacional Arquitectura Popular

Na passada quinta-feira participei no Colóquio Internacional de Arquitectura Popular, em Arcos de Valdevez. A minha comunicação chamou-se "Arquitectura Moderna e Arquitectura Vernacular. Contributo das  técnicas e materiais tradicionais para uma arquitectura mais responsável ambientalmente". Foi a oitava vez que apresentei uma comunicação pública, mas é sempre como se fosse a primeira... Abaixo transcrevo o resumo.
 




 


 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Num tempo em que a arquitectura necessita de uma profunda reflexão sobre si própria, sobretudo pela consciência de que o modelo preconizado pelos fundamentos modernistas do início do século passado se encontram completamente desajustados e ultrapassados e de que as novas formas de construir não poderão comprometer a vivência humana, ou o próprio ambiente, urge questionar em que sentido poderá a arquitectura evoluir para responder às questões pertinentes da sociedade e do mundo actual.

O modernismo tendo concorrido para uma profunda evolução, quer artística quer tecnológica, da arquitectura desenvolveu como tema principal a dimensão social da própria arquitectura. Ironicamente, simultaneamente e na mesma medida, aportou problemas sociais graves ao “estandardizar” e banalizar a arquitectura, massificando a cidade e tornando-a quase anónima no seu a-historicismo e na preconização de uma “maquinização” da vivência do ser humano. Algo profundamente contrário ao carácter muito mais orgânico e telúrico da arquitectura tradicional, que é por isso muito menos agressiva e “predadora” ambientalmente.

No entanto, não deixa de ser curioso que alguns dos principais “arautos” do Movimento Moderno tenham baseado algumas das suas experiências no estudo da arquitectura vernacular, como o próprio Le Corbusier, Alvar Aalto ou Frank Lloyd Wright.

Arquitectos como Schindler ou Louis Barrágan aprofundariam essa relação indo ao ponto de construir com métodos e técnicas tradicionais e podendo mesmo ser considerados precursores neste aprofundar da relação entre arquitectura erudita e vernácula, antecipando também a percepção da mais-valia ambiental e ecológica da utilização das técnicas e materiais tradicionais.

sábado, 23 de março de 2013

A "Casa do Cubo" . Artigo na revista "Terras de Serpa Pinto" . 1997

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 


O ano de 1997 começava  com a publicação do sexto número da revista "Terras de Serpa Pinto", que trazia o meu segundo artigo para esta publicação. Este vinha na sequência do anterior sobre arquitectura tradicional e versava a importância arquitectónica e patrimonial da magnífica "Casa do Cubo", em Boassas.

segunda-feira, 4 de março de 2013

A escada...

 






















Já havia aqui afirmado anteriormente o carácter singular e central desta escada no contexto da obra que está a ser efectuada em S. Mamede de Infesta, em Matosinhos. O avançar do tempo e a prossecussão da obra têm vindo a dar razão a essa ideia e a evidenciar isso mesmo. Algumas fotografias, que inicialmente pensei serem apenas "felizes", têm salientado cada vez mais o seu aspecto "etéreo" que a luz acaba sempre por acentuar. Neste momento, ainda com tudo em tosco, não posso dizer que não tenho algum receio de que os acabamentos possam vir a tirar algum deste encanto proporcionado pelo despojamento, pela rugosidade dos materiais e pela simplicidade das formas... a ver vamos.

terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

Recuperação no centro histórico de Arcos de Valdevez . 1996 . V


 
Duas últimas imagens para ilustrar o (atribulado) projecto de Arcos de Valdevez. O alçado nascente, voltado para a praça, ainda desenhado à mão, por mim mesmo, e uma visualização em fotomontagem (realizada por Miguel Bandeira Duarte), tentando dar uma ideia da vista que se teria do cimo da praça. Ficou o projecto e a aprendizagem...

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

Recuperação no centro histórico de Arcos de Valdevez . 1996 . IV

Ainda dois apontamentos para o projecto de Arcos de Valdevez. Um esquisso do interior, vendo-se o patamar e o segundo lanço de escadas ladeado pela parede inclinada e uma vista do cimo da praça do município, no sentido sul, onde se vê o alçado que ficaria voltado para a mesma e, em segundo plano a ampliação proposta. O impacto da nova construção seria diminuto em termos visuais e a obra preservava o edifício histórico, o qual seria integralmente restaurado. O carácter assumidamente novo seria seguramente uma mais-valia e uma valorização do edifício pré-existente, já que lhe acrescentaria uma nova etapa na sua longa história. Mas o IPPAR assim não quis. Continuamos no "Portugal dos Pequeninos" e gente pequenina... quer projectos "pequeninos"...

terça-feira, 29 de janeiro de 2013

Habitação em S. Mamede Infesta . Matosinhos . 2013 . III



















 

Aspectos dos alçados poente e nascente da obra de S. Mamede de Infesta, tal como se encontra neste momento, tendo já adquirido a sua configuração final. Dão-se os últimos retoques para receber os acabamentos. Esta deverá ser a última foto ainda com a grua instalada.

quarta-feira, 16 de janeiro de 2013

Colóquio Internacional Arquitectura Popular

 
O Município de Arcos de Valdevez vai organizar um Colóquio Internacional sobre Arquitectura Popular, nos dias 3 a 6 de Abril de 2013, convidando para esse efeito investigadores de diferentes áreas científicas a reflectir sobre este tema nas suas vertentes arquitectónicas, urbanísticas e culturais. A Comissão Científica do Colóquio integra investigadores de diversas universidades e instituições de Portugal, de Espanha e do Brasil, e que vêm trabalhando este tema.
 
A minha comunicação para este colóquio foi aprovada e intitula-se: "Arquitectura moderna e arquitectura vernacular . Contributo das técnicas e materiais tradicionais para uma arquitectura mais responsável ambientalmente".

Para mais informação: https://sites.google.com/site/coloquioarquitecturapopular/

domingo, 9 de dezembro de 2012

Recuperação no centro histórico de Arcos de Valdevez . 1996 . III


 






















Mais dois estudos para o edifício a restaurar e ampliar no centro histórico de Arcos de Valdevez. Um apontamento em que se tenta visualizar o alçado da rua e a relação com os edifícios envolventes e uma vista em "olho de pássaro", já com o objecto da ampliação perfeitamente definido. Não há nenhuma tentativa de "disfarçar" o novo volume que se propõe. Sempre entendi que a relação com o pré-existente terá que ser a um nível mais subtil e interessante que o do mero "mimetismo". Existe também já um ensaio dos materiais, das cores e texturas...

terça-feira, 4 de dezembro de 2012

Habitação em S. Mamede Infesta . Matosinhos . 2012 . II



 
 
 
 
 
 
A obra em S. Mamede de Infesta continua em bom ritmo e serve para dar um pouco de ânimo a um panorama que se pode considerar, no mínimo, desolador... Estão neste momento a ser ultimadas as infraestruturas e começa-se a pensar nos acabamentos. Dos interiores saliento a escada helicoidal e o lanternim que a coroa. É um elemento que se pode considerar escultórico e também o "centro" da casa. Está completamente solta das paredes, sendo que a do fundo irá ser completamente revestida, nos três pisos, com um painel de azulejos executado propositadamente para o local...

sábado, 1 de dezembro de 2012

Dissertação de Mestrado: "A reabilitação Urbana e o Desenvolvimento das Cidades"

O aluno Gilberto da Silva Monteiro, do curso de Arquitectura e Urbanismo da UFP, apresentou e defendeu a sua Tese de Mestrado intitulada: "A REABILITAÇÃO URBANA E O DESENVOLVIMENTO DAS CIDADES. AS INTERVENÇÕES NO CENTRO HISTÓRICO DE SANTA MARIA DA FEIRA", no passado dia 27 de Novembro, no Salão Nobre da Universidade Fernando Pessoa, no Porto, que lhe granjeou um Muito Bom (17). Saliento que fui orientador do Gilberto e ele havia sido também meu aluno. Do júri fizeram parte a Arquitecta Adriana Floret, como arguente, a Professora Doutora Sara Sucena como Presidente e eu próprio como vogal. Foi, assim, a minha décima participação num júri de defesa de tese.

quinta-feira, 29 de novembro de 2012

Recuperação no centro histórico de Arcos de Valdevez . 1996 . II

























Dois apontamentos, em esquisso, que mostram o estudo da volumetria e sobretudo da colocação das aberturas. Prevaleceu a proposta superior, em que as aberturas voltadas a nascente são tapadas por uma parede, de forma a que a partir da praça se visse apenas um pano de parede rebocado e pintado, tornando assim a proposta mais "neutra" relativamente à envolvente, uma vez que, desta forma, não eram introduziadas aberturas com ritmos, materiais e escalas diferentes... O volume central, com a parede inclinada definia a caixa de escadas, pontuada por uma entrada de luz zenital, à semelhança do que já acontecia no edifício antigo...

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

Recuperação no centro histórico de Arcos de Valdevez . 1996 . I

Um dos último trabalhos que comecei a desenvolver em 1996 foi a recuperação e ampliação de um edifício localizado no centro histórico de Arcos de Valdevez. Uma construção bastante antiga situada mesmo ao lado do município, que se pretendia adaptado à prática de turismo de habitação. A primeira proposta, que previa apenas a inserção de uma cobertura que aproveitasse o vão do telhado, tipo mansarda, à semelhança de outras existentes no centro histórico, seria "chumbada" pelo então IPPAR, apesar de ter sido aprovada pelo Instituto do Turismo de Portugal. A imagem apresenta já a segunda proposta, quanto a mim bem mais interessante e arrojada. Sem praticamente tocar no edifício antigo, que seria restaurado na íntegra, propõe-se um volume novo, reformulando um elemento dissonante, construído no início do século XX, e adicionando-lhe dois pisos onde se localizariam os quartos... A proposta seria mais uma vez "chumbada" porque pretendiam os "técnicos" do IPPAR que se "disfarçasse" o volume proposto revestindo-o com telha ou chapa ondulada pintada de vermelho... Não, não é anedota...foi mesmo assim!!!...

domingo, 30 de setembro de 2012

Edição Encontros Estúdio UM #2 da Escola de Arquitectura da Universidade do minho

Está disponível para descarga (download) a edição em linha (on-line) de Encontros ESTÚDIO UM: #2 Processo

Textos de:
Joaquim Jorge Marques
Miguel B Duarte
Manuel da Cerveira Pinto
Paulo Barros

Ligação (link):

ESTÚDIO UM
ESCOLA DE ARQUITECTURA
UNIVERSIDADE DO MINHO
CAMPUS DE AZURÉM - GUIMARÃES

sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

Quinta da Ventozela . 1996 - 2005 . XIII


O projecto consistia numa caixa, assente sobre o socalco, no sentido contrário às curvas de nível, e fazia referências à arquitectura minimalista, integrando embora elementos da arquitectura tradicional. Entre os dois edifícios ficava um terraço com vistas sobre o rio e a paisagem. Os compartimentos orientavam-se a poente, procurando a melhor exposição solar. As portadas exteriores, em madeira, permitiriam o total isolamento da casa, formando uma parede contínua em madeira. O edifício do alambique seria restaurado segundo as suas características. Um passadiço metálico ligava as duas construções.  O projecto, embora completo, nunca chegou a ser executado...

terça-feira, 24 de janeiro de 2012

Quinta da Ventozela . 1996 - 2005 . XII



O projecto da Quinta da Ventozela previa ainda a construção de outras estruturas para além das que têm sido mostradas. Chegou a fazer-se o projecto para um outro edifício que aproveitava os pisos superiores do alambique e que seria a casa do gerente. Esta casa estava ainda ligada directamente com a garagem e arrumo de material agrícola, que funcionava completamente integrada no socalco existente. No piso inferior estava também localizado o balneário da piscina. A parte do alambique seria completamente restaurada e posta a funcionar. A casa poderia posteriormente funcionar também como unidade turística.

sábado, 21 de janeiro de 2012

Quinta da Ventozela . 1996 - 2005 . XI

video

Pequeno vídeo (8min) que mostra um pouco o percurso da obra, desde os esquissos iniciais, passando por algumas imagens do existente e outras do resultado final, já que seria fastidioso publicar todas as imagens. (Se não for por mais nada, penso que vale pela música...)

quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

Quinta da Ventozela . 1996 - 2005 . X


Outro aspecto do exterior da parte principal e mais antiga da Quinta da Ventozela. Pode-se constatar, uma vez mais, que o edifício é constituído por uma série de construções que se foram aglutinando ao longo do tempo. Aqui é uma típica casa rural que, nítidamente, foi absorvida pelo núcleo principal. Apesar de estar já completamente em ruínas, na sua recuperação intentou-se, tanto quanto possível, manter a sua configuração e características exteriores. Caixilharia em madeira maciça de castanho da região; paredes exteriores em granito à vista paarelhado em junta-seca; telha lusa sobre estrutura de madeira a formar a cobertura. No interior localiza-se a adega (no piso inferior) e a sala de jogos (no piso superior). Para que o edifício ficasse mais bem integrado e funcional, criou-se uma ligação directa com o jardim; com o bar e com a esplanada.

terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Quinta da Ventozela . 1996 - 2005 . IX


Nesta imagem pode ver-se o aspecto final, exterior, da casa principal. À direita vê-se a "Casa da Criadagem" com o seu revestimento em telha e a ligação à casa principal em estrutura de ferro e vidro. Esta foto, tirada de uma das janelas da "Casa da Eira" pode comparar-se com a primeira aqui publicada, antes das obras. Clamo a atenção para alguns pormenores "subtis", tais como o roda-pé em granito à vista, em junta-seca, as molduras em pedra, à volta de portas e janelas e as duas portas do lado esquerdo, que não existiam...

quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

Quinta da Ventozela . 1996 - 2005 . VIII


Esquisso do interior da "Casa da Eira". Neste edifício era suposto, inicialmente, que todo o interior fosse equipado com móveis de minha autoria. O orçamento final acabaria por não o permitir. Mais tarde acabariam por aparecer os "reposteiros" e "cortinados" da praxe, mas no essencial a obra não foi desvirtuada. O interior acabaria por ficar praticamente como se vê no desenho...

domingo, 27 de novembro de 2011

Quinta da Ventozela . 1996 . VII


O alçado nascente do edifício do palheiro acabaria por resultar assim. A grande mais-valia desta intervenção é sem dúvida a recuperação de um núcleo de arquitectura popular que de outra forma dificilmente se manteria. Será mesmo de ressalvar que se não fossem estes parcos exemplos de salvaguarda deste património pelos particulares já quase nada existiria no concelho e, estou em crer, mesmo no país. A ideia feita de que não é possível adaptar estes edifícios a uma vivência contemporânea, dotada de todo o conforto e comodidade, e ainda de que é muito mais dispendiosa, revela-se falsa e deturpada e, há que dizê-lo, apenas serve os interesses instalados de alguns grupos ligados à construção que não possuem competências para o fazer...

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Quinta da Ventozela . 1996 . VI


Estudo do alçado nascente do núcleo constituído pelo palheiro, eira e espigueiro. Neste apontamento a madeira que reveste o exterior do edifício é ainda tratada com óleo queimado, solução que seria preterida em favor do aspecto natural da madeira. Embora o exterior do edifício existente fosse já em tijolo rebocado, tudo leva a crer que tivesse sido, no passado, em madeira, pelo que se optou por usar esse mesmo material. Foi usada madeira de pinho nórdico (devidamente certificada, de produção sustentável), colocada em tábuas, na vertical, em sistema de macho/fêmea. Não se trata de um mero revestimento exterior, mas sim de uma parede, formando caixa de ar, com isolamento térmico e pano interior de tijolo cerâmico vazado de 15 cm de espessura. O envidraçado foi rasgado no granito de forma a poder usufruir-se da beleza da paisagem.