domingo, 9 de dezembro de 2012

Recuperação no centro histórico de Arcos de Valdevez . 1996 . III


 






















Mais dois estudos para o edifício a restaurar e ampliar no centro histórico de Arcos de Valdevez. Um apontamento em que se tenta visualizar o alçado da rua e a relação com os edifícios envolventes e uma vista em "olho de pássaro", já com o objecto da ampliação perfeitamente definido. Não há nenhuma tentativa de "disfarçar" o novo volume que se propõe. Sempre entendi que a relação com o pré-existente terá que ser a um nível mais subtil e interessante que o do mero "mimetismo". Existe também já um ensaio dos materiais, das cores e texturas...

terça-feira, 4 de dezembro de 2012

Habitação em S. Mamede Infesta . Matosinhos . 2012 . II



 
 
 
 
 
 
A obra em S. Mamede de Infesta continua em bom ritmo e serve para dar um pouco de ânimo a um panorama que se pode considerar, no mínimo, desolador... Estão neste momento a ser ultimadas as infraestruturas e começa-se a pensar nos acabamentos. Dos interiores saliento a escada helicoidal e o lanternim que a coroa. É um elemento que se pode considerar escultórico e também o "centro" da casa. Está completamente solta das paredes, sendo que a do fundo irá ser completamente revestida, nos três pisos, com um painel de azulejos executado propositadamente para o local...

sábado, 1 de dezembro de 2012

Dissertação de Mestrado: "A reabilitação Urbana e o Desenvolvimento das Cidades"

O aluno Gilberto da Silva Monteiro, do curso de Arquitectura e Urbanismo da UFP, apresentou e defendeu a sua Tese de Mestrado intitulada: "A REABILITAÇÃO URBANA E O DESENVOLVIMENTO DAS CIDADES. AS INTERVENÇÕES NO CENTRO HISTÓRICO DE SANTA MARIA DA FEIRA", no passado dia 27 de Novembro, no Salão Nobre da Universidade Fernando Pessoa, no Porto, que lhe granjeou um Muito Bom (17). Saliento que fui orientador do Gilberto e ele havia sido também meu aluno. Do júri fizeram parte a Arquitecta Adriana Floret, como arguente, a Professora Doutora Sara Sucena como Presidente e eu próprio como vogal. Foi, assim, a minha décima participação num júri de defesa de tese.

quinta-feira, 29 de novembro de 2012

Recuperação no centro histórico de Arcos de Valdevez . 1996 . II

























Dois apontamentos, em esquisso, que mostram o estudo da volumetria e sobretudo da colocação das aberturas. Prevaleceu a proposta superior, em que as aberturas voltadas a nascente são tapadas por uma parede, de forma a que a partir da praça se visse apenas um pano de parede rebocado e pintado, tornando assim a proposta mais "neutra" relativamente à envolvente, uma vez que, desta forma, não eram introduziadas aberturas com ritmos, materiais e escalas diferentes... O volume central, com a parede inclinada definia a caixa de escadas, pontuada por uma entrada de luz zenital, à semelhança do que já acontecia no edifício antigo...

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

Recuperação no centro histórico de Arcos de Valdevez . 1996 . I

Um dos último trabalhos que comecei a desenvolver em 1996 foi a recuperação e ampliação de um edifício localizado no centro histórico de Arcos de Valdevez. Uma construção bastante antiga situada mesmo ao lado do município, que se pretendia adaptado à prática de turismo de habitação. A primeira proposta, que previa apenas a inserção de uma cobertura que aproveitasse o vão do telhado, tipo mansarda, à semelhança de outras existentes no centro histórico, seria "chumbada" pelo então IPPAR, apesar de ter sido aprovada pelo Instituto do Turismo de Portugal. A imagem apresenta já a segunda proposta, quanto a mim bem mais interessante e arrojada. Sem praticamente tocar no edifício antigo, que seria restaurado na íntegra, propõe-se um volume novo, reformulando um elemento dissonante, construído no início do século XX, e adicionando-lhe dois pisos onde se localizariam os quartos... A proposta seria mais uma vez "chumbada" porque pretendiam os "técnicos" do IPPAR que se "disfarçasse" o volume proposto revestindo-o com telha ou chapa ondulada pintada de vermelho... Não, não é anedota...foi mesmo assim!!!...

domingo, 30 de setembro de 2012

Edição Encontros Estúdio UM #2 da Escola de Arquitectura da Universidade do minho

Está disponível para descarga (download) a edição em linha (on-line) de Encontros ESTÚDIO UM: #2 Processo

Textos de:
Joaquim Jorge Marques
Miguel B Duarte
Manuel da Cerveira Pinto
Paulo Barros

Ligação (link):

ESTÚDIO UM
ESCOLA DE ARQUITECTURA
UNIVERSIDADE DO MINHO
CAMPUS DE AZURÉM - GUIMARÃES

sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

Quinta da Ventozela . 1996 - 2005 . XIII


O projecto consistia numa caixa, assente sobre o socalco, no sentido contrário às curvas de nível, e fazia referências à arquitectura minimalista, integrando embora elementos da arquitectura tradicional. Entre os dois edifícios ficava um terraço com vistas sobre o rio e a paisagem. Os compartimentos orientavam-se a poente, procurando a melhor exposição solar. As portadas exteriores, em madeira, permitiriam o total isolamento da casa, formando uma parede contínua em madeira. O edifício do alambique seria restaurado segundo as suas características. Um passadiço metálico ligava as duas construções.  O projecto, embora completo, nunca chegou a ser executado...

terça-feira, 24 de janeiro de 2012

Quinta da Ventozela . 1996 - 2005 . XII



O projecto da Quinta da Ventozela previa ainda a construção de outras estruturas para além das que têm sido mostradas. Chegou a fazer-se o projecto para um outro edifício que aproveitava os pisos superiores do alambique e que seria a casa do gerente. Esta casa estava ainda ligada directamente com a garagem e arrumo de material agrícola, que funcionava completamente integrada no socalco existente. No piso inferior estava também localizado o balneário da piscina. A parte do alambique seria completamente restaurada e posta a funcionar. A casa poderia posteriormente funcionar também como unidade turística.

sábado, 21 de janeiro de 2012

Quinta da Ventozela . 1996 - 2005 . XI

video

Pequeno vídeo (8min) que mostra um pouco o percurso da obra, desde os esquissos iniciais, passando por algumas imagens do existente e outras do resultado final, já que seria fastidioso publicar todas as imagens. (Se não for por mais nada, penso que vale pela música...)

quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

Quinta da Ventozela . 1996 - 2005 . X


Outro aspecto do exterior da parte principal e mais antiga da Quinta da Ventozela. Pode-se constatar, uma vez mais, que o edifício é constituído por uma série de construções que se foram aglutinando ao longo do tempo. Aqui é uma típica casa rural que, nítidamente, foi absorvida pelo núcleo principal. Apesar de estar já completamente em ruínas, na sua recuperação intentou-se, tanto quanto possível, manter a sua configuração e características exteriores. Caixilharia em madeira maciça de castanho da região; paredes exteriores em granito à vista paarelhado em junta-seca; telha lusa sobre estrutura de madeira a formar a cobertura. No interior localiza-se a adega (no piso inferior) e a sala de jogos (no piso superior). Para que o edifício ficasse mais bem integrado e funcional, criou-se uma ligação directa com o jardim; com o bar e com a esplanada.